sexta-feira, 4 de outubro de 2013

CURSO DE TEOLOGIA- AULA 1- SOTERIOLOGIA , DOUTRINA DA SALVAÇÃO.





                                                                                          SOTERIOLOGIA

DEFINIÇÃO: Soteriologia é a união entre dois termos gregos "Soteria" que significaSalvação e "Logia" que significa Estudo. Portanto Soteriologia é o Estudo da Salvação.
INTRODUÇÃO : É fundamental que tenhamos convicção da nossa salvação. A Bíblia garante que podemos ter convicção da vida eterna. Sem esta convicção é impossível viver a vida cristã. Ao fazer o estudo, examine como está a sua convicção `a luz da Palavra de Deus.
ESTRUTURA :

ESCRAVO DO PECADO
MORTO ESPIRITUAL
SEPARADO DE DEUS

A SALVAÇÃO E O PASSADO
A SALVAÇÃO E O FUTURO
A SALVAÇÃO DE JESUS

ARREPENDIMENTO
CONVERSÃO

A GRAÇA
O SANGUE
A FÉ

JUSTIFICAÇÃO
REGENERAÇÃO
SANTIFICAÇÃO
GLORIFICAÇÃO

O CALVINISMO
O ARMINIANISMO
COMPARAÇÃO

A CONDIÇÃO DO HOMEM

Não se pode compreender a Doutrina da Salvação sem saber-se qual a condição do homem que dela necessita. Vejamos algumas situações do homem sem salvação:

Escravo do Pecado João 8 : 34 Disse Jesus : Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é escravo do pecado.

O termo " escravo " significa estar cativo debaixo de poder absoluto, por compra, herança ou por guerra.
O termo " pecado" significa transgressão da lei divina.

Romanos 6 : 18 Fostes libertos do pecado, e vos tornastes escravos da justiça.

As Escrituras nos mostra que o pecado pode ser dividido em duas classes, a saber:
Pecado por Comissão É um ato que não atende uma condição imposta, em outras palavras, é fazer o que Deus proíbe.

Pecado por Omissão Ato ou efeito de omitir, deixar de fazer, ou seja, é deixar de fazer o que Deus manda.

Morto Espiritual- Rom. 5 : 12 Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, por isso que todos pecaram.

A morte espiritual é um tanto análoga a morte física.

A morte física é a separação entre o corpo e o espírito, quando o espírito abandona o corpo, o corpo morre. Da mesma forma, quando o espírito se separa de Deus, o espírito morre; da mesma maneira que o corpo sem o espírito está morto, o espírito sem Deus também está morto.

Separado de Deus, o homem está morto espiritualmente e impossibilitado, de tomar a iniciativa da salvação.

Separado de Deus Esta é outra condição do homem sem salvação.

A conseqüência da queda de Adão, foi a exclusão da presença de Deus. Isto é, Deus já não andava com Adão no Éden.

Gen. 3 : 8 E ouviram a voz do Senhor Deus, que passeava no jardim pela viração do dia : e escondeu-se Adão e sua mulher da presença do Senhor Deus, entre as árvores do jardim.

Isaías 59 : 2 Mas as vossas iniquidades fazem separação entre vós e o vosso Deus.


Há diversas idéias a respeito da salvação. Vamos mencionar algumas das mais importantes e apontar a que está mais de acordo com a idéia apresentada por Jesus Cristo.

A Salvação e o Passado Atos 17 : 30 Mas Deus, não levando em conta os tempos da ignorância, manda agora que todos os homens em todos os lugares se arrependam.Suponhamos que uma pessoa que não saiba nadar esteja prestes a afogar-se; mas, felizmente alguém o salva.A salvação nada tem haver com o passado da pessoa salva.

A Salvação e o Futuro Imaginemos agora, um condenado a morte, porém perdoado por alguém cheio de bondade e amor. Este perdão garante ao condenado o livramento do castigo merecido. Esta salvação visou o livramento do castigo futuro.        

A Salvação de Jesus Lc. 9 : 24 Porque qualquer que quiser salvar asua vida, perdê-la-á; porém qualquer que, por amor de mim, perder a sua vida, a salvará.Suponhamos que temos um único grão de arroz no mundo em nossas mãos. Para salvar esta semente o que temos que fazer? A melhor maneira de salvá-lo é plantando-o, pois se colhera centenas deles

A verdadeira idéia da salvação é, aquela que contempla mais aquilo para o que somos salvos do que aquilo de que fomos salvos.

A salvação ensinada por Jesus acentua mais o céu com toda a sua glória do que o inferno com todo o seu horror. Não somos salvos para escaparmos da morte, mas para gozarmos a vida eterna.

I Jo. 3 : 2 Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifestado o que havemos de ser.

OS 2 PASSOS PARA A SALVAÇÃO

Mat. 4 : 17 Daí por diante passou Jesus a pregar e a dizer: Arrependei - vos, porque é chegado o reino dos céus.

Mat. 18 : 3 E disse: Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças de modo algum entrareis no reino dos céus.

Cristo chegara ao mundo, vindo do seio do Pai. Podia descrever as glórias do céu para comover os homens. Mas a sua mensagem era a mesma : Arrependimento e Conversão.

Arrependimento O verdadeiro arrependimento envolve a pessoa toda, todo o seu ser, toda a sua personalidade. Arrependimento não é apenas mudança de pensamento.

João 3 :3 ...Em verdade te digo que se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.
Nascer do novo significa "um novo ser uma nova pessoa ou seja uma nova personalidade".

Estudaremos o arrependimento em cada um dos poderes da personalidade : Intelecto, Sensibilidade, Volição.

Intelecto Intelectualmente falando, o arrependimento é uma mudança na maneira de pensarmos: Em Deus, Em nosso pecado, Nossa relação com o próximo. Antes do arrependimento, o seu pensamento estava voltado para as coisas materiais, agora consiste em coisas espirituais e eternas.

Sensibilidade O prazer e a alegria deixa de fixar-se nas coisas terrenas deste mundo para fixar-se nas coisa espirituais. No arrependimento o homem pensa e sente mais em relação a Deus do que em relação ao pecado. No Salmo 51 Davi, chora por seus pecados, mas lamenta muito mais a sua infidelidade diante de Deus. "Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; apaga as minhas transgressões segundo a multidão das tuas misericórdias. Contra ti, contra ti somente pequei, e fiz o que mau à tua vista, para que sejas justificado quando falares e puro quando julgares ".

Volição Antes do arrependimento o homem quer fazer a sua própria vontade, quer dirigir-se a si mesmo, quer andar no seu próprio caminho.

Através do arrependimento o homem passa a querer fazer a vontade de Deus e quer ser dirigido por ele, porque está convencido de que a direção de Deus lhe são as melhores.

Esta mudança na vontade do homem é, de fato, o elemento mais importante no arrependimento.

Conversão: Conversão é uma palavra usada para exprimir o ato do pecador, abandonando o pecado, para seguir a Jesus.

A conversão pode e deve repetir-se todas as vezes em que o homem pecar e afastar-se de Deus, porque ela consiste no ato de abandonar o pecado e aproximar-se de Deus.

Emprega-se, geralmente, a palavra conversão para significar aquela primeira experiência do homem, abandonando o pecado paras seguir a Cristo.


Rom. 3 : 24 - 25 E são justificados gratuitamente pela sua Graça, pela redenção que há em Cristo Jesus. Deus o propôs para propiciação pela  no seu Sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos sob a tolerância de Deus.

Os elementos básicos estabelecidos para salvação conf. escrito pelo Apóstolo Paulo aos Romanos são

1oA Graça Tito 2 : 11 Pois a graça de Deus se manifestou, trazendo salvação a todos os homens. Graça significa, primeiramente, favor, ou a disposição bondosa da parte de Deus. ( Favor não merecido). A graça de Deus aos pecadores revela-se no fato de que ele mesmo pela expiação de Cristo, pagou toda a pena do pecado. Por conseguinte, ele pode justamente perdoar o pecado sem levar em conta os merecimentos ou não merecimentos. A graça manifesta-se independente das obras dos homens. A graça é conhecida como Fonte da Salvação.

2oO Sangue I Jo. 1 : 7 O sangue de Jesus Cristo , seu Filho, nos purifica de todo pecado. Em virtude do sacrifício de Cristo no calvário, o crente é separado para Deus, seus pecados perdoados e sua alma purificada. Sangue é conhecido como a Base da Salvação.

3oA Fé Ef. 2 : 8 - 9 Pois é pela graça que sois salvos, por meio da Fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie. Pela fé reconhece o homem a necessidade de salvação, e pela mesma fé é ele levado a crer em Cristo Jesus. Heb. 11 : 6 Ora, sem Fé é impossível agradar a Deus, porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam. A Fé conduz-nos ao Salvador, a Fé coloca a verdade na mente e Cristo no coração. A Fé é a ponte que dá passagem ao mundo espiritual, por isso concluímos que a Fé é o Meio para a Salvação.


Vejamos os 3 aspectos da Salvação

1o. Justificação Justificar é um termo judicial que significa absolver, declarar justo. O réu, ao invés de receber sentença condenatória, ele recebe a sentença de absolvição. Esta absolvição é dom gratuito de Deus, colocado a nossa disposição pela fé. Essa doutrina assim se define : "Justificação" é um ato da livre graça de Deus pelo qual ele perdoa todos os nossos e nos aceita como justos aos seus olhos somente por nos ser imputada a justiça de Cristo, que se recebe pela Fé. Justificação é mais que perdão dos pecados, é a remoção da condenação. Deus apaga os pecados, e, em seguida, nos trata como se nunca tivéssemos cometido um só pecado. Portanto Justificação é o Ato de Deus tornar justo o pecador. Romanos 3 : 24,30 Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus... Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei. A justificação, é realizada no homem quando este passa a crer no Senhor Jesus Cristo como Salvador, logo que ele crê em Jesus, Deus o declara livre da condenação.

Cristo Nossa Imputação Rom. 4 : 6 ...Bem-aventurado o homem a quem Deus imputa justiça sem as obras,... Imputar é atribuir a alguém a responsabilidade pelos atos de outro. Isto é Jesus Cristo assumiu nossos pecados, Deus permitiu que Jesus pagasse nosso débito.

Cristo Nossa Substituição Gal. 3 : 13 Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo ele próprio maldição em nosso lugar,... Como nosso substituto, Cristo Jesus ganhou esta justiça para nós, morrendo em nosso lugar, a fim de nos salvar e garantir o perdão dos nossos pecados. Somos agora aceitos por Deus, porque nos foi creditada a perfeita Justiça de Cristo.

Justiça de Cristo I Cor. 1 : 30 Mas vós sois dele, em Jesus Cristo, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, Justiça, e santificação, e redenção.Esta justiça foi adquirida pela morte expiatória de Cristo. Sua morte foi ato perfeito de justiça, porque satisfez a lei de Deus. Foi também um ato perfeito de obediência. Tudo isto foi feito por nós e posto a nosso crédito.

2o. Regeneração Regenerar significa : Restaurar o que esta destruído. Quando se trata do ser humano, Regeneração é uma mudança radical, operada pelo Espírito Santo na alma do homem. Esta Regeneração, atinge, portanto todas as faculdades do homem ou seja : Intelecto, Volição e a Sensibilidade. O homem regenerado não faz tanta questão de satisfazer à sua própria vontade como de satisfazer à de Deus. Na Regeneração, ele passa a pensar de modo diferente, sentir de modo diferente equerer de modo diferente : tudo se transforma. II Cor. 5 : 17 Portanto, se alguém está em Cristo, Nova Criatura é; as coisas velhas já passaram, tudo se fez novo. A bíblia descreve a regeneração como:

Nascimento João 3 : 3 Jesus respondeu, e disse : Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. Uma pessoa, para pertencer a aliança feita a Israel e gozar de todos os seus direitos, precisava somente nascer de pais judaicos. Para pertencer ao reino do Messias, contudo, uma pessoa precisa nascer de novo. Ezeq. 36 : 26 Dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro em vós um espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra, e vos darei um coração de carne.

Vivificação A essência da regeneração é um nova vida concedida por Deus, mediante Jesus Cristo e pela operação do Espírito Santo. Jo. 10 : 10 ... Eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância. Viver É estar com vida. Vivificar É dar vida. Vivificação:É o Ato, a Ação ou o efeito de viver. É usufruir da vida espiritual que Deus concedeu.

Purificação Ato ou efeito de purificar. Tito 3 : 5 Não por obras de justiça que houvéssemos feitos, mas segundo a sua misericórdia, ele nos salvou mediante a lavagem da regeneração e renovação pelo Espírito Santo. A alma foi lavada completamente das imundícias da vida de outrora.

3oSantificação Santificar é tornar sagrado, separar, consagrar, fazer santo. A Palavra santo tem muitos significados:

Separação Representa o que está separado de tudo quanto seja terreno e humano. I Ped. 3 : 11 Aparte-se do mal, e faça o bem; busque a paz, e siga-a.

Dedicação Representa o que está dedicado a Deus, no sentido ser sua propriedade. Rm 12 : 1 Portanto, rogo-vos, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.

Purificação Algo que separado e dedicado tem de ser purificado, para melhor ser apresentado. (imaculado) II Cor. 7 : 1 Ora, amados, visto que temos tais promessas, purifiquemo-nos de toda a impureza tanto da carne, como do espírito, aperfeiçoando a nossa santificação no temor de Deus.

Consagração No sentido de viver uma vida santa e justa. Lev. 11 : 44Eu sou o Senhor vosso Deus; consagrai-vos, e sede santos, porque eu sou santo.

Muito acentuada se acha no Velho Testamento a idéia de que a santificação consta de uma relação especial com Deus. As coisas consagradas ao Senhor eram consideradas santas: Arca do Concerto, O Templo, O Tabernáculo, O Altar, Os Vasos, Os Sacerdotes.

No Novo Testamento, a idéia é a de que a santificação consiste no processo do homem ser perfeito como Ele é perfeito.

Jesus ensinou que o homem deve procurar aperfeiçoar-se cada vez mais. "Bem-aventurado os limpos de coração, porque eles verão a Deus".

Diante do exposto, podemos estabelecer o seguinte:

Santificação é um processo O crente precisa esforçar-se para progredir em santificação. II Cor.7 : 1 Ora, amados, visto que temos tais promessas, purifiquemo-nos de toda a impureza tanto da carne, como do espírito, aperfeiçoando a nossa santificação no temor de Deus. O processo de santificação pode ser comparado ao crescimento de uma pessoa, porém condicionado à sua vontade.

Os meios divinos de santificação

O Sangue de Cristo I Jo.1: 7 O sangue de Jesus Cristo, seu filho, nos purifica de todo o pecado.

O Espírito Santo Fil. 1 : 6 Tendo por certo isto mesmo, que aquele que em vós começou boa obra a aperfeiçoará até o dia de Jesus Cristo.

A Palavra de Deus Jo. 17 : 17 Santifica-os na verdade a tua palavra é a verdade.

VEJAMOS A SEGUIR O QUE O ESPÍRITO SANTO SANTIFICA NO CRENTE

I Tes. 5 : 23 O mesmo Deus de Paz vos santifique completamente. E todo o vosso espírito, alma e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.

O Corpo Rom. 12 : 1 ... que apresenteis os vossos corpos como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.

A Alma I Ped. 1 : 22 Tendo purificado as vossas almas
Espírito Sal. 78 : 8 ... Geração de coração instável, e cujo espírito não foi fiel a Deus.
               
Glorificação Glorificar significa honrar, dar glória.

Deus em seu plano de salvação, manifestou a sua glória através de Cristo Jesus, o pecador pode experimentar esta manifestação pelo Espírito Santo.

O ato final do processo da salvação será a glorificação do crente por Deus.

A Glória de Deus em Nós Em todo o tempo a glória de Deus demonstra poder, autoridade, virtude e acima de tudo consagração.

É manifestada através da fé.         

Foi nos dada através de Jesus e serve para manter a unidade da Igreja.

Jô. 17 : 24 Pai, quero que onde eu estiver, estejam também comigo aqueles que me deste, para que vejam a minha glória, a glória que me deste, porque me amaste antes da criação do mundo.

A Glorificação do Corpo Rom. 8 : 30 E aos que predestinou, a estes também chamou, e, aos que chamou, a estes também justificou; e, ao que justificou, a estes também glorificou.

A Glorificação do corpo se dará por ocasião do arrebatamento, nosso corpo será transformado em um corpo glorioso. Neste ato, se dará a glorificação, quando estaremos em corpo incorruptível, e assim, estaremos para sempre com o Senhor.

Conhecemos que a glória da roseira é a rosa e que a de qualquer árvore são os frutos; mas a glória do crente o que será?

I Cor. 13 : 12 Agora vemos em espelho, de maneira obscura; então veremos face a face. Agora conheço em parte; então conhecerei como também sou conhecido.

Rom.8 : 18 Porque para mim tenho por certo que as aflições deste tempo presente não são para comparar coma glória que em nós há de ser revelada.

A Glorificação é o objetivo de nosso serviço realizado

I Cor. 15 : 58 Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que, no Senhor, o vosso trabalho não é vão.

O trabalho do cristão deve ser realizado da melhor forma possível.

Com Amor, dedicação, voluntário, humilde, alegria, sacrificial, sabedoria etç...
É possível alguém que aceitou à Cristo como salvador cair da graça?

Os que seguem a doutrina de Calvino diz que não e os que seguem a de Armínio diz que sim.
Estudemos então as duas doutrinas:

O Calvinismo A salvação é inteiramente de Deus; o homem absolutamente nada tem a ver com a sua salvação.

Romanos 8 : 35 Quem nos separará do amor de Cristo ? Será tribulação, ou angustia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada?

Isto porque a sua vontade se corrompeu com o pecado. Desta forma o homem não pode se arrepender sem a ajuda de Deus.

Efésios 1 : 4 - 5 Assim como nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor. Nos predestinou para ele, para adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade.

A doutrina calvinista ensina que Deus predestinou alguns para serem salvos e outros para serem perdidos. A predestinação é o eterno decreto de Deus, pelo qual ele decidiu o que será de cada um.

O Arminianismo A vontade de Deus é que todos os homens sejam Salvos, porque Cristo morreu por todos.

I Tim. 2 : 4 O qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade.

As Escrituras ensinam uma predestinação, mas não individual. Ele predestina a todos os que querem ser salvos.

Tito 2 : 11 Portanto a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens.

O homem pode escolher aceitar a graça de Deus, ou pode resistir-lhe e rejeitá-la. Seu direito de livre arbítrio sempre permanece.      

2 ECLESIOLOGIA

 

Introdução

A Igreja é uma instituição toda especial de Deus, a qual o próprio Senhor é a pedra angular, estando edificada no fundamento dos apóstolos e profetas.  Ela se manifesta na qualidade de organismo como Igreja Universal e como Igreja Local na qualidade de organização.
Definição: a palavra Igreja deriva-se do vocábulo grego εκκλησια que designava “reunião”, “aqueles chamados para fora” e posteriormente no Novo Testamento veio designar uma reunião de crentes professos.  Ela se manifesta de duas maneiras:  [volta ao topo]

II.    A Igreja Universal

É a reunião de todos os salvos desde o pentecostes até ao arrebatamento (At 2.1-4-; I Ts 4.13-18).  Ele é também conhecida pelas seguintes figuras:
a)       O Corpo de Cristo: Rm 12.4-5; I Co 12.12-27; Cl 1.18
b)       A Esposa de Cristo: II Co 11.2; Ef 5.31-32; Ap 19.7
c)       Edifício: Ef 2.21-22; I Pd 2.4-6
d)       Santuário do Espírito Santo: I Co 3.16-17
e)       Novo Homem: Ef 2.14-15 [volta ao topo]

III.  A Igreja Local

Das 114 vezes em que o termo “igreja” é empregado, em 91 vezes ou mais refere-se a Igreja Local. A Igreja Local é a reunião de crentes professos numa comunidade com características de organização distintas, tais como:
a)       Ela é autônoma: isto significa que ela administra seus próprios negócios por um governo teocrático-democrático estando submissa a Cristo diretamente, congregacional.  Este ensino é revelado no Novo Testamento em virtude das igreja locais agirem autonomamente.  At 6.1-5; 15.22-27; II Co 2.5-6; Mt 18.17; At 1.15-26; I Co 5.1-8.
b)       Tem seus oficiais: biblicamente são dois: Pastores e Diáconos. I Tm 3.1-13; At 6.1-6;  Fl 1.1
a.       Pastor: é aquele que cuida do rebanho, mas encontramos outros sinônimos como bispo e ancião.  Bispo aquele supervisiona e ancião uma pessoa amadurecida ou experiente.
b.       Diácono: o que serve às mesas:
c)       Composta de Membros regenerados e batizados: isto significa que os membros da igreja local são nascidos de novo (com evidências para isso) e desceram às águas do batismo. Mt 28.18-20; Jo 3.5; At 2.41; 4.32 I Pd 1.23;
d)       Ela tem autoridade para disciplinar seus membros: Mt 18.15-18; I Co 5.1-13; II Co 2.5-6.
e)       Ela deve ser Separada
a.       Do mundo: Ef 5.27
b.       Do Estado: Mt 22.21
c.        Dos que erram doutrinariamente: I Co 5.11; Ef 4.14; II Jo 9-11; II Ts 3.6
f)        Nela ministra-se os dons espirituais Ef 4.11-12; Rm 12.3-8; I Co 12.1-11,28-31.
g)       Tem seu tempo comunitário de adoração e culto a Deus.  At 20.7; I Co 16.2; Hb 10.25.

IV.   As Ordenanças da Igreja

As ordenanças dadas por Jesus Cristo a sua Igreja e que todos os cristãos devem observar, são cerimoniais que trazem memórias e lembranças da sua obra para nós e também aos que não crêem (ainda que não participem), de uma forma passada, presente e futura; tendo como base o sacrifício de Cristo na cruz, sua morte, ressurreição e volta iminente.  Embora sendo, uma ordem e uma prática a ser observada, estas ordenanças não tem valor algum para a salvação de quem as observa ou pratica, servem apenas de caráter representativo da causa e dos efeitos desta mesma salvação.  São elas: o Batismo e a Ceia do Senhor.

Discutir a forma e o significado da palavra batismo é uma notável ingenuidade, de tal maneira que defender que o significado de batizar é imergir torna-se um grave erro de redundância, porque o vocábulo grego é a palavra no português imergir; foi apenas uma palavra transliterada de um idioma para o outro.
1.       Batismo
a)       A Ordem - O mandamento é claramente ordenado na forma do imperativo de Mateus 28: 19: “Ide, fazei discípulos… batizando-os …”.  O batismo era uma prática comum na igreja primitiva e feita de uma forma expontânea e automática para àquele que cresse que Jesus era o Cristo (Atos 2: 38,41; 8:36-38; 10:48; 18:8). Então se é uma ordem deve ser obedecida.  O batismo é o primeiro ato visível de cada crente em obediência a Cristo para uma vida cristã responsável e pura.

2.       O Significado

a)       É o primeiro passo de obediência do crente no desejo de servir a Cristo. (Mt 28:19)
b)       Simboliza a morte e ressurreição de Cristo (Rm 6:3-4).  Por isso somente a imersão pode representar estes eventos em um só.
c)       É a representação física do batismo no Espírito Santo.  Sendo que o batismo no Espírito Santo, que se procede no ato da conversão, coloca o crente no Corpo de Cristo (I Co 12:13)  o batismo nas águas coloca o crente na igreja local. (At 2: 41-47)

3.                   Quem pode ser batizado.
a)                   Todos os que receberam a Cristo como único e suficiente salvador (At 2:41, At 8:12-13) e;
b)                  Abandonaram antigas práticas erradas, principalmente as que servem de testemunho negativo para a sociedade.  II Co 5:17, Cl 3:5-10;
c)                    E que desejam servir melhor a Cristo tendo responsabilidades na igreja local.
NOTE: Os requisitos para a aceitação de membros na igreja local não deve ser “tão alto” de modo que poucos irão ter a capacidade de serem incluídos no rol de membros.  Entendemos que um novo convertido é alguém que irá crescer na vida cristã, naturalmente ele não pode alcançar a maturidade espiritual de um dia para o outro.  Deus dá dons a cada um que irão ser desenvolvidos dentro da capacidade e limites aceitos pela igreja local.
4.                   Fórmula do Batismo
a)                   É feita a confissão de fé do candidato.
b)                  E batiza-se segundo a fórmula de Mt 28: 19 “... em nome do Pai do Filho e do Espírito Santo;”;
c)                    Mergulhando o candidato apenas uma vez até que se molhe por completo.
5.                   Posições erradas sobre o Batismo
a)                   Que o batismo salva: posição defendida pela Igreja Católica Romana e outros;
b)                  Que é como um concerto da circuncisão: posição defendida por presbiterianos na teologia do concerto;
c)                    Batismo de crianças que não chegaram a idade da razão: defendida pela maioria dos protestantes reformistas e católicos.
B.            A Ceia
A Ceia tem o propósito de que todos aqueles que receberam a Cristo com salvador relembre e meditem no seu sacrifício na cruz por todos nós, sua ressurreição e a sua vinda no final dos séculos.  Em sua sabedoria Cristo sabia que sendo fracos temos a tendência de esquecermos as bênçãos facilmente.  No pão encontramos a representação do corpo de Cristo e no vinho seu sangue derramado por nós.
1.                   A Instituição

a)                   O Próprio Cristo instituiu. I Co 11: 23;
b)                  Na noite em que Cristo foi traído.  Mt 26: 21, 47;
c)                    Com o propósito de relembrar a sua morte e;
d)                  Ordenado para que fosse realizado até a sua Vinda (nas nuvens). I Co 11:26

2.                   Os Elementos da Ceia

a)                   O Pão

(1)                 Simboliza o corpo de Cristo que foi dado por nós.  I Co 11:24, Is 53: 5;
(2)                 Não se torna o corpo de Cristo é apenas de caráter representativo: I Co 11: 24      “... em memória de mim.”;
(3)                 Deve ser sem fermento, simbolizando o corpo de Cristo sem pecado.  Visto que  Ceia foi instituída na semana da páscoa os judeus não comiam o pão asmo com fermento (Ex 12: 14-20), em I Co 5:6-8 Paulo faz uma aplicação desta verdade a vida espiritual.  O fermento na Bíblia denota sentido negativo referindo-se ao pecado.   Só uma vez vemos referindo-se ao reino de Deus em geral em   Mt 13:33.

b)                  O Vinho (O cálice)
(1)                 Simboliza o sangue de Cristo derramado por nós. I Co 11: 25
(2)                 Não se torna o sangue de Cristo é de caráter representativo: I Co 11: 25 “em memória de mim.”;
(3)                 Deve ser um vinho não fermentado.  Na Bíblia é comum encontrarmos diversas referências na Bíblia sobre o perigo de se embriagar (Exemplos: Pv 31: 1-7,          Ef 5: 18).  Devido a aplicação de Paulo de uma verdade para a nossa vida espiritual em I Co 5: 6-8.
3.                   Quem pode participar da Ceia
As três formas:
a)            Comunhão Aberta: todos os que estiverem presentes no momento da Ceia;
b)           Comunhão Restrita: limita-se todos os que estando presentes na hora da Ceia, e que já receberam a Cristo como salvador, foram batizados e estão em comunhão com Deus.  Pode-se também limitar apenas a crentes que foram batizados na forma correta, isto é por imersão, esta posição exclui presbiterianos, luteranos, episcopais e outros.  Pode ainda limitar-se a crentes de igrejas de mesma fé e prática;
c)            Comunhão Ultrarestrita: restringe-se apenas a crentes da igreja local em que são membros.
NOTE: A primeira não é bíblica, pois só os que de bom grado receberam a palavra e foram batizados podem receber a Ceia (At 2:41-42).  A segunda é bíblica sendo um problema apenas os crentes que não foram batizados e tiveram a cabeça molhada.  A terceira também é bíblica e pode ser utilizada, portanto traz problemas de comunhão com igrejas de mesma fé e prática se houver mais de uma na cidade ou região.
4.                   Posições Erradas sobre a Ceia
a)            A Transsubstanciação: afirma que o pão e o vinho tornam-se a carne e o sangue de Cristo respectivamente.  Posição defendida por católicos.
b)            Consubstanciação: que a presença de Cristo está dentro dos elementos da Ceia e trazem após a oração do sacerdote conferindo graça e transformando-se num verdadeiro sacramento.  Posição defendida por episcopais e luteranos.
c)            Presença Mística: dizem que os elementos são um sinal da morte de Cristo e tem um modo místico de transmitir um modo de graça especial concedendo bênçãos fora do comum.  Posição defendida por presbiterianos, reformados, metodistas e outros.
“A Igreja é guardiã das ordenanças - o Batismo e a Ceia do Senhor - e ela é responsável por sua administração.”

V.     A Missão da Igreja

 

A.            Glorificar a Deus.  Jo 15.8; Rm 15.6,9; Ef 1.5-6, 12, 14, 18; 3.21; Ef 5.26-27; I Tm 3.15; I Pd 4.11
B.            Ganhar almas evangelizando o mundo e enviando obreiros: Mt 9.35-38; 28.19; Lc 24.46-48; At 1.8
C.            Edificar a si mesma: I Co 3.10-13; 14.26; Ef 2.20-224.11-16
D.            A Igreja não converterá o mundo.  Mt 24.12; Lc 17.26 – Mas ocupará lugar de  benção e honra, estando unida a Cristo reinará com Ele (I Co 6.2; Ap 1.6; 19.7; 22.5; ) e seu testemunho eterno continuará. Ef 3.10,21.

BOM ESTUDO A TODOS!!!!! A PAZ DO SENHOR JESUS... ASS: MARCUS VINICIUS

7 comentários:

  1. Gostei muito do estudo pois é bastante edificante, simples de entender , e muito recheado de versiculos o que faz com que dúvidas sejam esclarecidas.

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante,esta aula nos traz clareza do que é ser convertido, na palavra.
    parabéns pelo empenho Pr.

    ResponderExcluir
  3. Aula extremamente impostante parabéns.

    ResponderExcluir
  4. Aula extremamente impostante parabéns.

    ResponderExcluir
  5. A matéria deste assunto não contempla a primeira proposta que D'us faz a todos humanos e em todas época - à doutrina e mandamentos expressos nos mandamentos no Pentatêutico.
    sabe-se que todo acervo doutrinário cristão está gravado no Novo Testamento, elaborado totalmente Pelo Colégio Clerical do Concílio de Nicéia, ano 412, quando o imperador Constantino, depois de perder muitos soldados, oficiais, patrícios (senadores) ao vê-los convertidos ao Cristianismo, propôs que a religião Cristã, se tornasse a religião do Estado Romano, o que foi aceito pelo clero de então. Aí começou a recompor os princípios de fé, da que passou a chamar-se Igreja Católica Apostólica Romana, sendo daí em diante, ser perseguidora ainda mais perfertida aos seus opositores. Providenciou-se seu Testamentos (escritos) que cimentasse seus princípios doutrinários. Mas falando-se na Salvação do estado espiritual em que ficou o que antes, felizes, nossos primeiros pais,desconsiderando a divina recomendação passaram a ser réus do Juizo divino, quiçá condenados sumariamente, mas a misericórdia divina fez à espécie humana a proposta de obediência a princípios doutrinários, que os orientava a viverem e conviverem felizes. É vasto o arquivo da desobediência a qualquer recado de mudança de vida. Seus pregadores sucumbiram às perseguições pelo cúpula eclesiástica reinante. Consta que Jesus, nunca quis fundar alguma religião, pois seu Pai já havia deixado os princípios de vida para se alcançar bem estar espiritual. Mas os cleros acharam que Jesus tinha qualidades que o recomendavam como Messias. O leitor atento do Novo testamento mostra um "messias" com comportamento desajustado para esse ministério. mas o "cardápio" doutrinário mostra uma pessoa com relação instável com os mandamentos, passando a ser "anti israelita" ou judaico como queira, assim caiu no agrado do imperador romano e assim está até hoje. A doutrina da Salvação a ter nova "logo marca" . E agora?

    ResponderExcluir

Fudas